O pavimento pélvico ou períneo é um conjunto de músculos que suportam a porção abdominal inferior e apoiam a bexiga, o útero e uma porção do intestino. A musculatura deve manter um bom tónus muscular. A fraqueza deste grupo muscular é a principal causa de incontinência urinária de esforço, cisto e rectocele, prolapso genital, disfunção sexual.

As técnicas de reabilitação do pavimento pélvico como tratamento para a incontinência urinária feminina de esforço tornaram-se cada vez mais populares nos últimos anos, após o ginecologista Arnold Kegel ter demonstrado a estreita relação entre perda de urina e fraqueza ou hipotonia da musculatura perineal.

A continência urinária é obtida através da inter-relação entre o tracto urinário inferior e a musculatura perineal sob o controlo de mecanismos neurológicos voluntários e autonómicos.

O principal objectivo de um tratamento do pavimento pélvico é tonificar e fortalecer os grupos musculares de que é composto. As técnicas ou procedimentos do programa de reabilitação devem ser divididos em activos ou passivos, em função da participação voluntária do paciente:

  • Reabilitação activa do pavimento pélvico: técnicas como a cinesioterapia verbal, a cinesioterapia de biofeedback e os exercícios vaginais activos são aplicados.
  • Reabilitação passiva: É realizada utilizando técnicas de electroestimulação. Destina-se a induzir a contracção do esfíncter periuretral e da musculatura perineal quando é aplicada uma corrente eléctrica através da parede vaginal ou rectal.

Benefícios da Electroestimulação na Reabilitação de Pavimentos Pélvicos

O efeito imediato da electroestimulação é a contracção muscular, conseguindo uma tonificação e hipertrofia muscular a longo prazo e, em alguns casos, uma alteração do padrão histológico da fibra muscular.

Dependendo do tipo de incontinência a ser tratada, os parâmetros da corrente aplicada variarão de acordo com o efeito reflexo que desejamos activar.

  • Incontinência urinária feminina de esforço: o tipo de correntes aplicadas deve ser superior a 50 Hz, a fim de activar o reflexo pudendal-pudendal.
  • Incontinência urinária de urgência: correntes com frequências entre 5 e 10 Hz são utilizadas para activar o reflexo inibitório do Detrusor, produzindo o desaparecimento ou redução de contracções involuntárias.

As directrizes para o tratamento de electroestimulação são muito variadas, mas é uma técnica altamente indicada em pacientes em que não há resposta contractil, ou seja, hipotonia muscular grave sem sensações proprioceptivas de contracção.

O principal objectivo do tratamento do pavimento pélvico com electroestimulação é melhorar a funcionalidade do grupo muscular na incontinência de esforço e inibir a sobreactividade detrusoriana na incontinência de urgência.

É uma técnica que tem sido utilizada há mais de 50 anos.

Actualmente, o equipamento permite uma grande variedade de parâmetros de estimulação: tipo de corrente, morfologia da onda, frequência, intensidade, localização dos eléctrodos, etc., conseguindo assim uma activação e reabilitação altamente personalizada em função do tipo de patologia do paciente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.