A reabilitação está em constante inovação e tem sido acompanhada por opções tecnológicas que oferecem múltiplos benefícios para os pacientes.

A engenharia biomédica é a ciência responsável pelo desenvolvimento de instrumentos concebidos com o objetivo de facilitar as atividades de vida diária e deslocação de pessoas com limitações cognitivas e/ou motoras, alguns exemplos disso são:

  • Software para gerir consultas e registos médicos
  • Eletroestimuladores com digitalização para determinar a intensidade necessária para cada área de tratamento
  • Miográficos de superfície electro com programação através de uma app
  • Robôs para estimulação multissenso sensorial
  • Sistemas de reabilitação virtual para melhorar capacidades motoras e cognitivas, com características que se adaptam às necessidades de cada paciente
  • Banheiras de hidroterapia com vários acessórios, tais como câmaras, passadeiras e fluxos contracorrentes
  • Próteses robóticas com características mecânicas adaptáveis para melhorar a acessibilidade e o movimento
  • Agentes físicos com opções cada vez mais avançadas e parâmetros modificáveis para criar tratamentos personalizados para cada paciente
 

O esforço conjunto entre os conhecimentos e competências manuais do pessoal de saúde e as ferramentas tecnológicas resultam na facilitação do movimento e das atividades do quotidiano para pessoas com alterações visuais, auditivas, neurológicas, neuromusculares e/ou funcionais.

O impacto que estas opções tecnológicas têm na vida dos pacientes é elevado,  permitir aumentar os níveis de autonomia pessoal e participação social destas pessoas, pelo que a sua implementação no sector público, privado e domiciliário será essencial para cobrir as necessidades da população e espera-se que aumente o acesso a esta tecnologia nos próximos anos.

 

MFKD Marina A. Martinez Romero

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.