A TECARTHERAPY é um meio incomparável de produzir calor profundo, esse tipo de calor controlado e direcionado é necessário para tratar uma ampla gama de patologias.   Embora a diatermia tenha sido aplicada eficazmente desde o início do século XX, o conhecimento da sua eficácia tem sido amplamente divulgado recentemente.

Quando aplicamos uma técnica de eletroterapia estamos a agir diretamente a nível celular e no fluido intersticial, somos capazes de excitar e inibir processos fisiológicos essenciais, atuamos sobre o potencial da membrana e sobre os processos químicos que se desenvolvem no local de que a vida depende, onde ocorrem trocas de nutrientes e oxigenações, com isto podemos acelerar os processos de restauração de tecidos e suas funções que de outra forma seriam impossíveis de alcançar na prática.

As correntes de alta frequência não produzem contração muscular, não existe resposta motora, o que acontece com correntes de baixa e média frequência, tais como TENS, EMS, galvênico, interferência, etc., precisamente que a resposta motora com baixas intensidades torna impossível trabalhar com grandes quantidades de energia. Pelo contrário, a diatermia causa mudanças fisiológicas poderosas precisamente porque funciona com energia suficiente para alcançá-la.

Com a alta frequência diarmica podemos   agir com uma energia muito alta e localizada, a fim de causar alterações metabólicas.

Tanto a célula como todos os tecidos que nos integram têm a capacidade de ser estimulados electricamente, as suas características essenciais dependem da capacidade de manter uma atividade bioeléctrica, que pode ser medida e em determinadas situações modificadas em benefício do paciente.

Para viver dependemos da polarização e despolarização das membranas celulares que compõem o nosso corpo para ser feito corretamente, a nível celular o potencial da membrana faz a diferença entre saúde e doença.

Ao estimular a atividade celular podemos acelerar as mudanças, podemos reduzir o tempo de recuperação após um esforço no desporto, ajudar a acelerar os processos de regeneração após o aumento do sangue e do fluxo linfático.

A térmoterapia encontra-se, no entanto, dentro da termooterapia; seu efeito fisiológico é superior ao alcançado com a termooterapia clássica. Quando aplicamos calor pelo método tradicional, isto é, através da pele, com infravermelhos, compressas, parafina, etc., o calor penetrará muito superficialmente, uma vez que temos um bom sistema de arrefecimento através da circulação periférica e do suor.

A tecaroterapia opera com potências de 100 W e intensidades que excedem o ampere, que são transformados dentro do corpo em energia térmica, o que produzirá uma sensação térmica muito alta e uma penetração no tecido de até 10 cms. É a coisa mais próxima de um estado febril local com a vantagem de que podemos controlar a área, o tempo e a temperatura que ocorre.

A maioria das patologias que os fisioterapeutas tratam conduzem a  um aumento do tom muscular, por exemplo, tendinite, fasciite, bursite, contraturas, epicondylitis, etc. Todos eles se manifestam com dor e geralmente com contraturas reflexivas, quando o tecido muscular é submetido a um excesso de tensão não pode voltar à situação de repouso, mantendo um estado de encurtamento, há um passo do sol para o gel nos coloides do tecido muscular, quando realizamos uma exploração vamos perceber o músculo com nódulos e há uma espécie de crepitação ao realizar pressão que é dolorosa para o paciente, é o que conhecemos como miogelose, se conseguirmos reduzir o excesso de tensão muscular reduzirá a sobrecarga no músculo e tendão, conseguindo uma recuperação acelerada nas patologias a serem tratadas.

A tecaroterapia é  atualmente o agente físico mais completo para o tratamento da dor profunda, aceleração do processo de recuperação e aumento da produção de colagénio para patologias estéticas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.